Shoppings reabrem com horário reduzido em SP

10 de junho de 202013860
Os shoppings de São Paulo voltam às atividades nesta quinta-feira(11)

A Prefeitura de São Paulo assinou nesta quarta-feira (10/06) termo de compromisso com cinco entidades representativas do comércio varejista de shoppings centers e autorizou a reabertura, das lojas a partir de amanhã, dia 11.

Além de seguir regras de higiene, inicialmente, os shoppings vão trabalhar com horário de funcionamento reduzido como determina o plano gradual de flexibilização da quarentena do novo coronavírus do Governo do Estado de São Paulo para as cidades que integram a fase laranja (fase 2).

Os locais ficarão abertos entre 16h e 20h — um horário “alternativo”, das 6h às 10h, também poderá ser
adotado. É obrigatório o uso de máscaras por todos os clientes e funcionários.

A opção deverá ser seguida por todas as lojas nele estabelecida. Na assinatura do termo de compromisso, o prefeito Bruno Covas explicou que as lojas que estão dentro do shopping devem seguir o padrão de higiene e atendimento das lojas do comércio de rua.

Não será permitido o atendimento presencial nas praças de alimentação. Em um primeiro momento, certamente houve tentativa dos representantes dos shoppings para liberar um funcionamento condicionado dessas áreas,
com separação de mesas e distanciamento. Porém, a prefeitura não aceitou.

Covas também voltou a falar que São Paulo continua em quarentena e que o objetivo da Prefeitura com os protocolos é retomar a atividade econômica na cidade sem retroceder, sem piorar os índices de contaminação pelo novo coronavírus. “Expectativa é que a gente reabra com a segurança necessária para continuar a melhorar os índices na cidade”, disse o prefeito.

Como serão as restrições:

  • Não promover evento de reabertura do shopping;
  • Não promover eventos nem atividades que possam atrair grande número de pessoas;
  • Monitorar a quantidade de pessoas presentes no shopping ou centro comercial, estabelecendo o
    distanciamento entre as pessoas;
  • Ter como princípio a redução da densidade ocupacional do shopping, limitando a 20% a ocupação
    habitual dos ambientes no caso da cidade de São Paulo;
  • As lojas poderão funcionar, mas cinemas, entretenimento, atividades para crianças e similares
    permanecem fechados;
  • Exigir o uso de máscaras por todos os clientes e colaboradores;
  • Retirar do estabelecimento tapetes e objetos que dificultem a limpeza e optar por uma decoração
    minimalista;
  • Deverá ser efetuada a limpeza de cestas, carrinhos, sacolas ou semelhantes, a cada uso. Se
    possível essa higienização deve acontecer na frente do cliente;
  • Funcionários do shopping que estejam no grupo de risco devem permanecer em home office;
  • Minimizar a necessidade de manuseio de fechaduras mantendo, sempre que possível, portas
    abertas;
  • Utilizar termômetros sem contato para aferir temperatura dos funcionários e clientes que
    ingressarem ao Shopping;
  • Deverão ser estabelecidas as jornadas de trabalhado compatíveis com os horários reduzidos de funcionamento.

Segundo o prefeito Bruno Covas (PSDB), com a reabertura de shoppings, a ideia do horário é diluir a movimentação das pessoas que saem
às compras, já que o comércio de rua está funcionando das 11h às 15h na capital paulista.
“As regras para os estabelecimentos dentro do shopping seguem as mesmas regras para os que estão
fora. A expectativa é que a gente reabra com a segurança necessária, para melhorar os índices [de covid19] na cidade de São Paulo”, disse o prefeito, após assinatura do protocolo.

Os estabelecimentos devem “dedicar atenção especial para restaurantes e praças de alimentação. Na fase
laranja, conforme classificação do Plano São Paulo, o atendimento presencial não está autorizado, embora
seja possível os restaurantes funcionarem no sistema de delivery ou retirada”, diz o protocolo firmado com a
Prefeitura, citando o plano do governo de São Paulo elaborado na última semana de maio.
“A praça de alimentação continua fechada, porque os restaurantes fora de shopping continuam fechados”, justificou Covas.

A reabertura de shoppings tem sido criticada por médicos por conta do aumento dos casos do novo coronavírus em São Paulo, que desde o início da pandemia tem sido o epicentro da doença. Ontem, a capital registrava o
acumulado de 84,8 mil casos confirmados do novo coronavírus e 4,5 mil mortes decorrentes da covid-19.
Contabilizadas as mortes suspeitas, são mais de 9,5 mil vítimas na capital. Entre 8 de maio e 8 de junho,
segundo a prefeitura, ao menos 2.210 pessoas morreram da doença.

Veja mais matérias em nosso portal

Fonte: PMSP e Uol

 

 

Alexandre Bueno

Jornalista/Editor Geral


Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *


Sobre


O jornal Infoleste surgiu em Maio de 2012, com o propósito de agregar e fortalecer a imprensa regional e, ao mesmo tempo, ser um canal entre a comunidade da Zona Leste e os órgãos públicos, levando até eles as reivindicações da população e trazendo as respostas dos órgãos competentes.


Rua Rio da Bagagem, 78 – Vila Matilde – São Paulo – SP

(11) 2654-0983

atendimento@infoleste.com.br