esteira-e1598745908754.jpg

6min2900

Muitas academias que estavam fechadas desde março deste ano retornaram às atividades em julho e agosto. No entanto, muitas pessoas ainda vivem um dilema ou têm receio quanto a esse retorno, pois há cidades ou estados que decretaram a flexibilização da quarentena permitindo a reabertura desse tipo de serviço mesmo com as contaminações pela COVID-19 ainda fora de controle.
Além de acompanhar como estão as taxas de retransmissão do novo coronavírus em seu município e saber se você ou alguém de seu convívio diário fazem parte do grupo de risco, algo a ser considerado nos prós ou contras sobre a possibilidade de voltar ou não aos treinos em sua academia é verificar se foram implementados nesta, os protocolos recomendados por órgãos competentes, como a Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde.
Para isso, você pode consultar, por exemplo, os sites do Conselho Regional de Educação Física (CREF) da sua região ou da Associação Brasileira de Academias, em que são disponibilizados documentos com procedimentos padrão que devem ser adotados para a reabertura desses espaços. Devemos ter claro que tais medidas não eliminarão as possibilidades de contágio nesse ambiente, mas visam à diminuição dos riscos de retransmissão.
Entre os procedimentos estabelecidos nesses protocolos de segurança, estão: aferição da temperatura corporal no momento de entrada, que não será autorizada quando essa for superior a 37,8º; higienização de calçados; uso de máscara; ampla disponibilização de álcool em gel a 70% para o uso de clientes e colaboradores; limpeza e desinfecção de todas as áreas 3-4 vezes ao dia; disponibilização de kits de limpeza para higienização de equipamentos de treino; limitar a quantidade de clientes nos ambientes (1 a cada 4-6m2); delimitar com fita o espaço de cada cliente nas salas de atividades coletivas (1,5m de distância entre estes, com um máximo de 6-8 pessoas em cada atividade); intercalar equipamentos de exercícios cardiovasculares e armários (deixar o espaço de um sem uso para o outro); manter os ambientes ventilados; restringir o uso de bebedouros, que devem ser usados apenas para encher garrafas; restringir o uso dos vestiários; disponibilizar manuais de orientação sobre os protocolos de segurança, entre outros.
Por outro lado, os clientes também devem fazer a sua parte cumprindo as regras, higienizando as mãos sempre que necessário ou solicitado, usando a máscara corretamente, levando consigo sua própria garrafa e toalha e evitando horários de pico. Lembre-se de que cuidando de si, você cuida também dos demais. Além de cuidado, essa é uma demonstração de respeito ao próximo. Como estamos cansados de ouvir, ainda que você não seja do grupo de risco e pareça estar vendendo saúde, você não conhece a realidade da pessoa que está treinando com você, ou mesmo daquele que está orientando seus treinos. Então, respeite e tente se colocar no lugar do outro.
Se você ainda acha mais seguro continuar com as medidas de distanciamento físico até que a disseminação da COVID-19 esteja totalmente controlada em sua cidade ou até que tenhamos uma vacina, fique em casa! Há muita gente que pensa como você e não há nada de errado nisso. Muito pelo contrário! Nestes mais de 120 dias de restrições às academias, pudemos perceber que é possível realizar programas de exercícios em casa, ainda que em espaços limitados e sem materiais ou equipamentos específicos, sempre acompanhados por profissionais da área da Educação Física, que podem realizar um trabalho personalizado tanto presencialmente quanto remotamente.
Se você decidiu retomar seus treinamentos em academias, seja responsável, adote os cuidados necessários, fique atento e verifique se os protocolos de segurança para preservar a saúde dos clientes e funcionários estão sendo seguidos, pois embora muita gente esteja minimizando a gravidade dessa pandemia, a realidade é que ela ainda está aqui! Não podemos nos descuidar.

Veja mais matérias em nosso portal

Por Katiuscia Mello Figuerôa, doutora em Ciências da Atividade Física e Desportiva

sao-cristovao-1280x853.jpg

8min3950

E de um dia para o outro, tudo mudou. No futuro, vamos lembrar do mês de fevereiro de 2020 como o início da pandemia do novo Coronavírus no Brasil. Foi um momento de medo, falta de conhecimento sobre a doença como um todo e principalmente muita incerteza para todos. A área da Saúde entrou nos holofotes de uma forma inédita. A busca por informações, tornou-se parte da rotina diária de milhões de pessoas. De acordo com o Google, maior e mais conhecido site de buscas do mundo, as principais pesquisas desde o início da quarentena no país, foram relacionadas a origem da pandemia, prevenção e transmissão da doença.

Comitê de Crise

Em situações jamais vividas, ou que representem algum tipo de ameaça, o ser humano hesita, tenta analisar a situação e as informações disponíveis, para aí então, tomar uma decisão buscando o acerto. Nós, da Saúde, não pudemos hesitar em nenhum momento e tenho muito orgulho de ser a terceira geração no comando de um Grupo de Saúde com mais de cem anos de história. E por isso dividirei brevemente como agimos no enfrentamento da Covid-19 e os aprendizados que ficarão para sempre gravados em nossa trajetória. Logo quando houve a confirmação do primeiro caso no Brasil, foi criado um Comitê de Crise para assuntos relacionados à Covid-19. Precisávamos de um ponto de partida que embasasse nossos próximos passos. Elaboramos modelos estatísticos que nos auxiliaram nas previsões de internações de paciente com o novo coronavírus, considerando características epidemiológicas dos beneficiários, como idade, comorbidades e risco de internação. O segundo passo foi separar os atendimentos – pacientes com suspeita de Covid e demais enfermidades/emergências – e criar fluxos diferentes, tanto no Pronto Socorro, quanto nos andares de internações e terapia intensiva. Prezamos por garantir a capacidade e qualidade do atendimento para todos os beneficiários com ou sem sintomas da doença.

Infraestrutura

Em paralelo aos adequamentos da infraestrutura, adquirimos equipamentos hospitalares importantes, como respiradores e monitores cardíacos e desenvolvimento de protocolos terapêuticos para COVID-19. Montamos também um time de médicos especialistas na intubação orotraqueal utilizando tecnologia de ponta, como videolaparoscópicos. Entendemos que respeito faz parte de cuidar e tanto nossos beneficiários, quanto a comunidade que estamos inseridos, precisava de total transparência nas informações. Por isso, optamos por compartilhar diariamente boletins com números de pacientes atendidos em nosso Pronto Socorro (Covid e não Covid) e outras informações relacionadas ao combate à doença.

Para acolher as dúvidas dos nossos beneficiários, criamos um site e canal de atendimento exclusivos sobre informações e orientações de saúde Covid-19, campanhas de marketing, envio de e-mail marketing e SMS com caráter educativo. Usamos a telemedicina e teleatendimento a favor do nosso beneficiário para minimizar o distanciamento dos familiares de nossos pacientes, estruturamos o boletim médico família com a preocupação em acolhimento e humanização, através de videoconferência. Médico e a família ficam mais próximos e nos pacientes já recuperados do estado crítico, um psicólogo realiza vídeo chamada na UTI com paciente e familiares.

Proteger nossa corajosa força de trabalho também foi prioridade, então devido ao cenário de escassez dos recursos hospitalares, rapidamente planejamos a aquisição de insumos considerando margem de segurança e análises concisas de dados de estoque em tempo real e revisão de manejo de estoque. Expandimos nosso portfólio de fornecedores e ampliamos o espaço físico para armazenamento dos insumos comprados. Diariamente são realizados diálogos de segurança pela equipe de Segurança do Trabalho com o objetivo de aumentar a adesão ao uso dos EPIs (Equipamento de proteção individual) e garantir a técnica segura na paramentação e desparamentação. Outra ação importante foi o afastamento imediato dos colaboradores que faziam parte do grupo de risco e foi necessário aumentar nossa força de trabalho através de novas contratações de forma rápida. Adquirimos dois túneis de desinfecção que garantem diariamente a segurança do colaborador na entrada e saída da empresa. Outro fator importante é que a Instituição não realizou nenhuma demissão, nem reduziu salários, garantindo a sustentabilidade das famílias dos colaboradores. Implantamos uma triagem COVID para os colaboradores com aferição de temperatura e reconhecimento de sintomas, que garante de forma precoce o acolhimento e tratamento do colaborador. Também fornecemos gratuitamente máscaras de proteção para o colaborador se proteger no trajeto até sua casa. Sem deixar de lado a saúde emocional dos colaboradores, criamos um espaço específico para acolhimento e disponibilizamos psicólogos especializados para este momento.

Agradecimentos
Valdir Ventura – CEO do Grupo São Cristóvão Saúde

Olhando para trás, foram decisões acertadas e a maior lição que levaremos dessa pandemia é que ou lutamos juntos, ou falharemos como indivíduos. A todos os colaboradores e profissionais na área de Saúde, meu profundo respeito e agradecimento. Sairemos mais fortes e preparados dessa situação. Estamos todos lutando pelo bem comum e venceremos juntos.

Veja mais matérias em nosso portal


Criança-sendo-vacinada.jpeg

3min4070

A Prefeitura de São Paulo irá realizar neste sábado, 22, uma ação especial de vacinação contra Sarampo e Influenza. A imunização, no segundo caso, previne a gripe e auxilia diretamente no diagnóstico médico para identificar possível contaminação por Covid-19.

Dia D

A iniciativa faz parte do Dia Nacional de Mobilização da Campanha de Sarampo e acontecerá em mais de 300 postos volantes espalhados na Capital.

Para Sarampo, a vacina é indicada para a população de 1 e 2 anos e 15 a 49 anos, de maneira indiscriminada. Para bebês de 6 meses a 11 meses e crianças e adolescentes de 3 a 14 anos, a vacinação é seletiva e varia de acordo com a situação vacinal de cada indivíduo. É válido ressaltar que a vacina para Sarampo é a tríplice viral, que previne ainda Caxumba e Rubéola. A vacinação contra influenza estará aberta a todos os públicos no dia D.

Para contribuir com o distanciamento social, os postos volantes serão distribuídos em locais estratégicos, como supermercados, praças, shoppings, drogarias, associações de bairro, igrejas, estações de trem e Metrô, entre outros. Além disso, todas as unidades de saúde do município estarão abertas para vacinação. É sempre válido lembrar que todas as medidas de prevenção contra o Coronavírus serão respeitadas durante a ação; o uso de máscaras é obrigatório e essencial para evitar contaminação.

Números da Vacinação:

Neste ano, mais de 5 milhões de doses de vacinas contra a Influenza A foram aplicadas na capital e a cobertura dos grupos prioritários já alcança 92,4%. Contra o Sarampo, a campanha que começou em 15 de julho já vacinou 405.656 pessoas com idade entre 6 meses a 49 anos. Em 2019, para crianças de 1 ano de idade, a cobertura vacinal do Sarampo foi de 98,65%. Neste ano, no primeiro semestre, a cobertura chegou a 88,97%.

Saiba como será o Dia D contra o sarampo – Clique AQUI:

 

Veja mais matérias em nosso portal



Sobre


O jornal Infoleste surgiu em Maio de 2012, com o propósito de agregar e fortalecer a imprensa regional e, ao mesmo tempo, ser um canal entre a comunidade da Zona Leste e os órgãos públicos, levando até eles as reivindicações da população e trazendo as respostas dos órgãos competentes.


Rua Rio da Bagagem, 78 – Vila Matilde – São Paulo – SP

(11) 2654-0983

atendimento@infoleste.com.br